28 de novembro de 2012

Ceia de Natal Vegetariana - Curso bacana no Humaitá!

       Para acabar com os problemas de vegetarianos como eu, que passam o Natal em família onde todos são carnívoros, a boa é fazer a Aula de Culinária Vegetariana, especial Ceia de Natal, com Juliana Venturelli no Atelier das Idéias, no Humaitá! Vai ser à noite, no próximo dia 06. Leiam só que maravilha de cardápio:


Entrada: Pétalas de endívia com figos frescos, queijo de cabra e mel (huuuummmmm)

Prato Principal: Risoto de quinoa com tomates frescos, aspargos e cogumelos frescos (oba!)

Bebida: Pina Colada sem álcool. Com leite de amêndoas (nossa!)


Sobremesa: Tarteletes integrais de damasco, tahine e mel (maravilha!)


       Os comentários entre parentesis são meus... :-D Mas, hão de concordar comigo que está show! Hoje, já tive mais um incentivador para que eu faça o curso. Eu vou!!! Além de saboroso, esse cardápio dá para ser feito em muitas outras ocasiões festivas. Para quem também se interessou, escreva para contato@ateliedasideias.com.br solicitando mais informações. Beijo no coração e boas festas!!! ;-)



Como é boa a tapioca

Minhas origens nordestinas, vindas de meu avô Cavalcanti, ficam todas salientes quando o assunto é aipim, mandioca, macaxeira. Eu sou completamente apaixonada! A versatilidade culinária dessa raiz é fantástica! Pode ser preparada de várias formas. Aipim cozido no café da manhã com manteiga, hummm.... Sou mil vezes aipim frito a batata frita. Com uma manteiguinha de garrafa então... E pure? Sem comparação! E bolo doce? E como massa de bolinho salgado? Escondidinho (vegetariano, claro!)? E farinha, gente? Adoro! Seja numa farofinha ou pura, acompanhando o prato. Maravilha! E quem não gosta de um biscoitinho de polvilho? De um pãozinho de queijo? Quando fui a Belém ainda descobri um fantástico uso de suas folhas super cozidas como base da manissoba. Genial!!!

Agora, cá entre nós, a tapioca ou biju é um dos meus pratos preferidos. Adoro tapioca no café da manhã. Minha relação com a tapioca começou há mais de dez anos, na feira dos paraíbas, em São Cristovão, quando ainda era do lado de fora. Aprendi a fazer a simples com minha amiga Isa, era uma delícia as tardes com tapioquinha e café. A recheada, com uma senhora que fazia tapioca perto da barraca Campina Grande (tinha um trio de forró muito bacana lá). Comprava a goma, o queijo coalho, e preparava em casa, com direito a viradinha ninja, impulsionando a frigideira para cima, tipo desenho animado. Tão fácil e tão gostoso. Aqui no Grajaú, tem uma feirante que vende a goma e o queijo coalho nas feiras de terça e de sexta. Fiquei refém dela. rsrsrsrs

Mas agora, resolvi por em prática meus aprendizados com Grazi, minha amiga que mora em Parati, que me ensinou a fazer a goma. É muito simples: coloca polvilho numa vasilha e vai aos poucos adicionando água, bem pouquinho de cada vez, e misturando/ amassando bem, até chegar no ponto. A da foto abaixo foi feita por mim, com uma parte de polvilho azedo e outra de polvilho doce.


Já fiz algumas vezes a goma e funcionou bem melhor quando misturei com um garfo e deixei respirar um tempinho antes de colocar num pote fechado. Eu conservo a minha na geladeira, para não ter risco de azedar com esse calorão de Rio de Janeiro. Para preparar a tapioca, é só passar na peneira, colocar um pouquinho de sal, se quiser, e... frigideira! 

Nunca fez e/ou nunca viu fazer, mas adora comer? Quer fazer também? Seguinte: com a goma peneirada, recheio à escolha do frêgues e disponibilidade na geladeira já separadinho ao lado, leve uma frigideira ao fogo médio/baixo (para não queimar) com um pouquinho de azeite ou margarina. Se tiver dessas frigideiras tipo omeleteira, fica mais fácil na hora de virar. Com a mão, vá polvilhando a tapioca até cobrir o fundo da frigideira. Em seguida, espalhe o recheio e cubra polvilhando mais uma camada de tapioca. Vire a tapioca, pode dar aquela pressionadinha de leve, espere um pouquinho e está pronta! Moleza, não!? Na da foto abaixo, meu café da manhã, coloquei umas fatias de queijo minas curado. Ficou ótima! 


Também ficaram muito boas as de queijo coalho ralado com acelga ou com alho poró ou com passas e castanha de cajú granulada. Solte a sua imaginação e bom apetite!
   

22 de novembro de 2012

As pessoas

Só para constar aqui no blog o quão fofas as pessoas são (e podem ser). Na volta da viagem ao México, esqueci novamente de falar que sou vegetariana no check in. Enfim, no primeiro vôo foi servida uma opção sem carne, de massa. A salada estava feia demais; sabe alquela alface passada? Não comi. No segundo vôo, primeira refeição (sim, Copa Airlines é boa para glutões) opções frango ou carne. Passei. Fiquei só no suco de caixinha... Segunda refeição, sanduíche de frango ou carne. Se fosse um restaurante diria que usaram as sobras do almoço. Perguntei para a aeromoça se não tinha nada sem carne e ela respondeu que não. Ok, já passei períodos mais longos sem comer e afinal, tinha água e suco. Passou um pouquinho, veio ela com duas bandejinhas, uma para mim e outra pro meu namorado, que estava enjoado e por isso não quis comer. Nas bandejinhas tinha uma porçãozinha de salada, uma outra de frutas, um pãozinho, margarina e biscoito doce. A outra aeromoça fez cara de "por que isso?" e ela respondeu, "eles são vegetarianos". Achei super fofo da parte dela, ficou preocupada e pegou o que tinha para servir.

Em outra ocasião, antes de um concerto que fui assistir, da minha querida mestra Laura, ofereceram um lanchinho. Assim que cheguei, as duas filhas dela já foram logo me mostrando as opções sem carne, super atenciosas e lindas.

Enfim, foram só dois exemplos. Sejamos vegetarianos ou não, é bom que sempre olhemos para as pessoas com amor. Isso reflete e retorna. ;)

Belas flores para todos nós!

10 de novembro de 2012

No México

       Ser uma viajante vegetariana não é simples... A questão começou antes de embarcar. Entrei no site da Copa Airlines para ver como avisar que sou vegetariana. Não entendi direito o lance, parecia que eu tinha que ter a passagem em mãos para adicionar a alimentação diferenciada. Mandei um email, sem resposta até hoje. Entreguei para Deus. Qualquer coisa, não teria problema comer só a saladinha com pãozinho ou mesmo fazer um jejunzinho básico. Já no avião, na hora de servirem o almoço, ouvi a conversa de um passageiro sentado na minha fileira, com o comissário de bordo, sobre o pedido dele por 3 pratos infantis. O comissário confirmou dois pedidos e um outro vegetariano. Vi a cara de frustado do sujeito e rapidinho me pronunciei como voluntária ao prato vegetariano. O comissário olhou o papel que tinha em mãos e confirmou o prato para mim. O que aconteceu de fato, se foi o meu email que funcionou ou se peguei o prato recisado pelo outro passageiro, não sei e também já não me importa. O fato é que recebi um prato com arroz branco e legumes, nada muito criativo, mas ok.
       Aqui pelo México, como estou hospedada em casa de família conhecida, quando como em casa é só alegria. Tenho uma excelente anfitriã, muito fofa e zelosa. Estou adorando estar aqui. Nos restaurantes locais, as opções são poucas, mas existem, mesmo que só entradas. Fomos ao Museo de Antropologia, maravilhoso por sinal! Comi por lá uma sopa creme de flor de abóbora, que levava também milho e uns pedaços de queijo, bem gostosa. Numa outra ocasião, em um restaurante chamado Dulcinea, em Miguel Hidalgo, tinham várias opções de entrada e de pratos de massa. Experimentei o queijo frito e os nachos de banana da terra, acompanhados de frijoles (uma espécie de pure de feijão), guacamole e um tipo de coalhada. Como prato principal, pasta aos três queijos. Um deles era provolone, os outros dois eram queijos mexicanos, um era o panela e o outro não me embro o nome. Estava tudo bem gostoso. Já no restaurante Villa Maria, fiquei só na entradinha mesmo, ao som de ótimos mariachis. Pedi a "Ofrenda de Cultlacoche", um prato com fungo de milho preto, queijo e molho de abacate, servido numa apresentação tipo lasanha. Excelente pedida! Para a turma das bebidas alcóolicas, neste restaurante são servidas margueritas numas taças mega. Mais parecem um balde. Inacreditável!!!
       Apesar de eu ser a única vegetariana no meu grupo, num país com uma cozinha rica em pratos com muitos tipos de carne (a galera aqui come até grilo e minhoca... nossa...), não precisei ficar só no milho e guacamole. Aliás, o uso do abacate na culinária mexicana é ótimo. Adorei o lance do molho de abacate que comi na "lasanha" de fungo. Vou incorporar no meu repertório culinário. O uso da banana da terra no prato salgado também é otimo, mas já tinha me apropriado desde Nova Iorque, após uma ida a um restaurante cubano.
Guacamole na casa de meus queridos anfitriões

4 de novembro de 2012

Lentilha com Couve-Flor e Cominho

Hoje, posto a receita que fiz antes de sair de viagem para o México. A lentilha é um alimento riquíssimo, excelente para os vegetarianos e para os não vegetarianos também! Outra hora vou postar sobre esse grão. Li que existem vários tipos que nem podia imaginar.

Bem, dentro do meu parco conhecimento e do meu estoque de alimentos, fiz esse prato, que ficou bem gostoso e rendeu mais do que eu esperava. Assim como a recita de cuscuz, essa também dá para comer quente ou fria, depende do gosto e da ocasião. ;)

Aqui vai a receita e a fotinho (com acompanhamento de salada de alface com vinagre balsâmico e azeite) 
Lentilha com Couve-Flor e Cominho, Vegetarianismo Carioca.

Ingredientes:

 - 1/2 copo de lentilha crua
 - 1 copo de água
 - 2 copos de couve-flor crua picada
 - 1 cebola miúda
 - 1 dente de alho
 - 2 pitadas de sal
 - 1 colher de café de cominho
 - azeite

Preparo:

       Coloque a água para ferver em uma panela. Ferveu, acrescente o sal e a lentilha, tampe a panela e deixe cozinhar em fogo baixo. Quando a água estiver quase acabando, abaixo da altura dos grãos, junte a couve-flor na panela, por cima da lentilha. Assim, preserva melhor os nutrientes. Mantenha a panela tampada e em fogo baixo até evaporar toda a água. Depois disso, apague o fogo.
       Corte a cebola e o alho e refogue-os em outra panela. Jogue o refogado na panela com a lentilha e a couve-flor, acrescente o cominho, azeite a gosto e misture bem.
       Pode ser consumido quente ou frio, como salada. Rende de 2 a 3 porções.